Tenebrae – O Ofício das trevas (celebração para Sexta-Feira Santa)

1. SAUDAÇÃO E EXPLICAÇÃO DO PROPÓSITO DO CULTO
Prezados irmãos e prezadas irmãs em Cristo!
Hoje é Sexta-feira santa; o ponto alto do período da Quaresma. Todo este tempo tem como objetivo preparar-nos para a maior de todas as festas cristãs: a Páscoa. A nossa preparação culmina com este culto.
Estamos reunidos para coentemplar a paixão e morde de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo. Suplicamos a Deus Espírito Santo que nos ilumine para entendermos corretamente os sofrimentos de Jesus, para vermos bem a causa de sua morte que são os nossos pecados e a bênção de sua morte que é a nossa salvação. Que o espírito Santo nos fortaleça e firme-nos na fé e na vida santificada. Amém.
Neste culto faremos uso de uma liturgia especial, cujo nome em latim é “Tenebrae”, e cujo significado é “trevas”. Daí o nome O OFÍCIO DAS TREVAS. 
De onde vem isso e o que quer dizer?
O costume de se realizar esta liturgia vem da Igreja Antiga. E aparece em nossa igreja (IELB) – cf. caderno lituúrgico de 1999 – LITURGIAS PARA A SEMANA SANTA – VINDE ADOREMOS – como sugestão para o culto da sexta-feira Santa. Então, eu a coloco aqui para a realizarmos neste ano.
Esta liturgia tem como o propósito imprimir as terríveis conseqüências do pecado, bem como ressaltar a grandiosidade do sacrifício de Cristo.
A característica especial desse ofício e do qual, provavelmente ganhou seu nome, é a extinção de um certo número de velas, colocadas num “candelabro” denominado “tenabras”. O apagar sucessivo das velas representa a aparente vitória dos poderes das trevas e a aparente derrota do plano da redenção com a crucificação. O apagar das velas também tem por objetivo relembrar os eventos que causaram a terrível escuridão que cobriu toda a terra por ocasião da crucificação de Jesus.
Uma das velas, a que se encontra no topo do “Tenebras” – a última do altar e que, não será apagada – a 8ª vela – permanece acesa para simbolizar que, mesmo em meio à morte e escuridão, as forças do inferno não prevalecerão contra a luz de Cristo. 
Sua ressurreição é certa.
Ele vive eternamente, e nós também viveremos!

2. HINO: HL 85 (1,2 e 4)
3. INVOCAÇÃO:
O – Abre, Senhor, os meus lábios.
C – E a minha boca manifestará o teu louvor.
O – Apressa-te, ó Deus, em me livrar.
C – Apressa-te em ajudar-me, ó Senhor. 
O e C – Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo, como era no princípio, agora é, e para sempre será de eternidade a eternidade. Amém. 
4. SALMODIA (Salmo messiânico. De Davi ) : Salmo 22.1,7,8,14-16,18,19 ( NTLH)
O – Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste? Por que ficas tão longe?
C – Por que não escutas quando grito pedindo socorro?
O – Todos os que me vêem caçoam de mim,
C – mostrando a língua e balançando a cabeça. 
O – Eles dizem: Você confiou em Deus, o SENHOR; então porque ele não o salva?
C – Se ele gosta de você, por que não o ajuda? 
O  – Já não tenho mais forças; sou como água derramada no chão.
C – Todos os meus ossos estão fora do lugar; o meu coração é como cera derretida.
O – A minha garganta está seca como o pó, e a minha língua gruda no céu da boca.
C – Tu me deixaste como morto no chão.
O – Um bando de marginais está me cercando; 
C – Eles avançam contra mim como cachorros e rasgam as minhas mãos e os meus pés. 
O – Eles repartem entre si as minhas roupas
C –  e fazem sorteio da minha túnica.
O – Ó SENHOR DEUS, não te afastes de mim!
C – Vem depressa me socorrer.
5. CONFISSÃO DOS PECADOS (Hino LS 78 e Salmo 51.1-7 cf. NTLH)
O – Convite à confissão: 
    – Por causa do teu amor, ó Deus, tem misericórdia de mim. Por causa da tua grande compaixão apaga os meu pecados. / Purifica-me de todas as minhas maldades e lava-me do meu pecado.
C – Te confesso, ó Deus, / os pecados meus; / são imensas transgressões, / pecados e tentações. 
       Jesus, aqui estou; / te peço, ó Senhor: / De mim tem compaixão – busco alívio ao coração.
O – Pois eu conheço os meus erros, e o meu pecado está sempre diante de mim./  Contra ti eu pequei – somente contra ti – e fiz o que detestas. 
C – Sei que cometi / erros conta ti: Pensamentos e ações, / palavras e ingratidões. / Jesus… 
O – Tu tens razão quando me julgas e estás certo quando me condenas. / De fato, tenho sido mau desde que nasci; tenho sido pecador desde o dia em que fui concebido. O que tu queres é um coração sincero; enche o meu coração com a tua sabedoria. / Tira de mim o meu pecado, e ficarei limpo; lava-me, e ficarei mais branco do que a neve. 
C – Nesta petição / peço o teu perdão. /Venho em ti me consolar. /Só tu podes libertar. /Jesus…
A ABSOLVIÇÃO DOS PECADOS

6. ORAÇÃO
O – Ó Senhor Jesus, tu foste traído, preso, acusado, ridicularizado, abandonado, rejeitado, expulso, expatriado, desterrado, esquecido, zombado, açoitado, condenado, maltratado, ferido, humilhado, desamparado, morto e sepultado por nós.
C – Aceita, Senhor, nossa gratidão e adoração. Amém.
7. HINO: HL 94, estrofes 1,3 e 4.
8. NARRADOR 1 : Nesta hora, gostaríamos de retroceder no tempo, a fim de reviver, ainda que brevemente, as emoções daqueles que de fato as viveram e sentiram. Relembrar, em espírito, fatos muito importantes. / Assim que o dia amanheceu, eles o prenderam numa cruz com grandes pregos. Ao meio dia, trevas cobriram a terra. Às Três horas, ele entregou o espírito. / José de Arimatéia e Nicodemos pediram seu corpo a Pôncio Pilatos. Rapidamente eles o desceram da cruz e, cuidadosamente, o puseram a descansar numa sepultura, que ainda não tinha sito usada. Uma escolta foi colocada, os romanos puseram o seu selo na grande pedra. “Está consumado!” O Filho de Deus está morto!
O – Deus não poupou seu próprio Filho.
C – Antes o entregou por nós.  
9. PRIMEIRA LEITURA: Mateus 26.47-50  (Jesus é preso)
10. NARRADOR 2: “Judas, traís o Filho do homem com um beijo?” Humanamente falando, os eventos trágicos daquela note começam com Judas Iscariotes. Judas era um dos doze. E em sua mente confusa, fervilhava a idéia de que Jesus, o “operador de milagres”, poderia libertar-se. Por trinta modas de prata, o preço de um escravo, Jesus foi entregue aos que queriam prendê-lo. Jesus agora ficou abandonado. Os homens voltam-se contra ele. Seus amigos negaram conhecê-lo e, assustados, mantiveram-se à distância. Um de seus discípulos o entregou nas mãos do inimigo. Existe maior tragédia na vida de uma pessoa do que ser traída por alguém que se ama? Por alguém que se está disposto a dar a própria vida? 
11. HINO: HL 89 (1) –  (Durante a estrofe é apagada a 1ª vela) 
O  – Como cordeiro foi levado ao matadouro; e como ovelha muda perante os seus tosquiadores. Ele não abriu a sua boca. Ele foi cortado da terra dos viventes; por causa das transgressões do seu povo, ele foi ferido. 
C  – Derramou sua alma na morte e foi contado com os transgressores. Por causa da transgressão do seu povo, ele foi ferido.
12. SEGUNDA LEITURA: Mateus 26.57-68 (Jesus perante o sinédrio) 
13. NARRADOR 1: Eis que o povo escolhido o rejeitou. Caifás, o sumo-sacerdote, levantou-se e exclamou: “Este homem blasfemou contra Deus!” . Seu próprio povo fez esta acusação contra ele! Você consegue sentir o desgosto desta ação? Ele, como Deus, manteve, abençoou, corrigiu e ajudou seu povo contra inimigos incontáveis. Para a manutenção da sua Igreja, ele criou nos corações dos seus fiéis a esperança no Messias. Agora que o Messias chegara, o seu povo exclama contra ele: “este homem blasfemou contra Deus!” É considerado um intruso, e prepara-se para matá-lo. 
14. HINO: HL 93 (1 e 2) Durante a segunda estrofe é apagada a 2ª vela. 
O  – Lamentai com a virgem que pelo marido de sua mocidade está cingida em panos de saco. Uivai, pastores, em meio às cinzas e aos panos de saco; pois o grande e terrível Dia do Senhor chegou!
C – Cingi-vos e lamentai, sacerdotes. Uivai, ministros do altar. Passai a noite vestidos em pano de saco.
15. TERCEIRA LEITURA: Lucas 23.1-12 (Jesus perante Pilatos e Herodes)
16. NARRADOR 2: Herodes nada tinha a ver com ele. Herodes fazia parte do povo escolhido e ocupava posição de liderança. Mas Herodes zombou dele – e o mandou de volta a Pilatos. Sua própria nação o declarou fora-da-lei. Você já foi abandonado pelos que lhe são mais queridos? Quando você puder sentir as terríveis angústias de uma pessoa totalmente abandonada, experimentará um pouco do que ele sentiu naquela noite. 
17. HINO: HL 86 (1 e 2)  Ao final da segunda estrofe é apagada a 3ª vela. 
O – Ó Jerusalém, tua dança se tornou em lamento; lança cinza sobre a tua cabeça e cinge-te com pano de saco.
C – Pois o teu Redentor foi cortado da terra dos viventes. 
18. QUARTA LEITURA: Lucas 23.13-25 (De novo perante Pilatos)
19. NARRADOR 1: Pilatos lavou suas mãos diante dele. Ele reconheceu que Jesus era inocente, mas mesmo assim o entregou para ser crucificado. Pilatos – o mundo! Esta era a última saída, a última pessoa a quem ele poderia recorrer, sua última chance de apelo – e tudo se foi! Agora, apenas a Via Crucis está diante dele. O caminho do sofrimento – a cruz pesada, as mulheres que choram, a multidão que escarnece, o vinagre, a coroa de espinhos, os pregos… agora ele só tem a cruz. 
20. QUINTA LEITURA: Lucas 23.26-27,32-38 (Rumo ao Calvário e à crucificação)
21. HINO: HL 97 – Ao final da última estrofe é apagada a 4ª vela.
O – Secou-se o meu vigor como um caco de barro; e a língua se me apega ao céu da boca; assim me deitas no pó da morte.
C – Tu, porém, Senhor, não te afastes de mim; força minha, apressa-te em socorrer-me. 
22. NARRADOR 2: Isto aconteceu uma única vez em todas a história. Apenas uma vez Deus esqueceu-se de um homem, quando esqueceu Jesus, o Cristo. Se você quiser, experimente. Mas será difícil você imaginar o que isto realmente significa: ser abandonado por Deus. Ele sempre está com você até o fim do mundo. Este é o motivo do seu clamor tão agonizante na cruz. Deus Pai o tinha abandonado. Este era o abismo mais profundo no qual ele podia ter sido lançado naquele dia em que ele foi o nosso substituto na morte.
23. SEXTA LEITURA: Mateus 27.45-46 (Jesus sofreu até mesmo o abandono de Deus)
24. MEDITAÇÃO SILENCIOSA – Cada um é convidado a refletir a respeito de sua própria vida à luz dos sofrimentos de Cristo pela sua salvação. (FUNDO MUSICAL:…..)
25. HINO: HL 98 ( 1 e 2 ) Ao final da segunda estrofe é apagada a 5ª vela.  
26. BREVE MENSAGEM DA PALAVRA DE DEUS.
27. ENTREGA DAS OFERTAS E HINO: “Cordeiro divino” – Ao final é apagada a 6ª vela. 
      Cordeiro divino, morto pelo pecador, sê compassivo. / Cordeiro divino, morto pelo pecador, sê compassivo.
      Cordeiro divino, morto pelo pecador, a paz concede. Amém.
28. SÉTIMA LEITURA: Mateus 23.46 (A morte de Jesus)
29. NARRADOR 1: Então, clamando em alta voz, ele inclinou sua cabeça e entregou seu espírito. Esquecido pelos homens e por Deus no seu sacrifício supremo para Deus e pelos homens, ele morreu. Quando os soldados vieram, furaram o seu lado e dali brotou sangue e água. Conforme afirmam os médicos, isto é sintoma de alguém que morreu de maneira muito angustiosa e dramática.
O – Fui contado com aqueles que desceram ao mais profundo abismo; sou como alguém sem vigor, porém livre em meio à morte.
C – Tu me deitaste no mais profundo abismo, na escuridão. Sou como alguém sem vigor. 
30. CELEBRAÇÃO DA CEIA DO SENHOR
a) HINO: HL 274
b) O Pai-nosso.
c) Palavras da instituição e distribuição.
31. NARRADOR 2: Então ele tiraram Jesus da cruz. Com gentileza e ternura, José de Arimatéia e Nicodemos desceram o corpo de Jesus e carregaram-no a uma sepultura que ainda não tinha sido usada. Então, como era chegada a Páscoa, cada um foi para sua casa comemorar a antiga festa. Abatimento, melancolia e tristeza tomaram conta dos discípulos. O Mestre e Amigo que amavam estava morto.
32. HINO: HL 88 (4 e 5 )  Ao final é apagada a 7ª vela. 
33. OITAVA LEITURA: Lucas 23 50-53 (O sepultamento)
O – Quando o Senhor foi sepultado, uma grande pedra foi rolada diante de seu túmulo. O sepulcro foi lacrado, a pedra foi selada e, para não deixar margem a dúvidas, uma escolta de soldados romanos foi designada para guardar o túmulo.
C – Os principais sacerdotes e fariseus vieram a Pilatos e lhe pediram que selasse a sepultura e ali pusesse guardas. 
 (Um acólito pega a 8ª vela, vai até ao meio da nave, ergue-a perante a congregação)
34. NARRADOR 1: Eis que uma luz ainda brilha. Nem tudo se foi e nem tomaram a vida do Senhor para sempre. Nem inferno, nem morte, nem sepultura o prenderão. Pois em três dias ele reconstruirá o templo que eles tentaram destruir. A vitória não é deles. É Cristo quem triunfa! Em meio a fatos extraordinários, como o terremoto, as trevas sobre a terra, a cortina do templo que se rasga, as sepulturas que se abrem, ele vive! Mil graças sejam a ti rendidas, ó querido Jesus! 
 (O acólito leva a 8ª vela para a sacristia. Obs: Permanece acesa.)
35. HINO: Se aquela cruz falasse / como Cristo morreu / daria a todos nós / maior lição de amor.
                  De sangue foi manchada,/ os pregos lá suportou./ Ergueu sobre madeiro/ Jesus Salvador. 
  ::Ela viu morrer o Homem-Deus,/ nela sempre achei consolação!:: 
       A cruz foi escolhida/ para o mal combater,/Jesus foi condenado,/ mas nenhum crime fez.
                   De joelhos ante ela/ posso aqui recordar/ o amor que Deus, em Cristo,/ a mim demonstrou
 (Segue-se o bater forte com o fechar de livros para simbolizar o terremoto que houve quando Jesus morreu.)
36. NONA LEITURA: Lucas 23.54-56 (A “espera”)
O – Tu, porém, ó Senhor, tem compaixão de nós.
C – Graças te damos, Senhor. 
O – As mulheres sentadas diante do sepulcro choravam e lamentavam por causa da morte do Senhor. Cristo tornou-se obediente até a morte, e morte de cruz.
C – Por causa disso, Deus o exaltou sobremaneira e deu-lhe o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra. 
O – Oremos: Todo-poderoso Deus, nós te pedimos que preserves graciosamente esta tua família, pela qual nosso Senhor Jesus Cristo foi traído e entregue nas mãos de homens perversos e sofreu morte de cruz; pelo mesmo Jesus Cristo, teu Filho, nosso Senhor, que vive e reina contigo e com o Espírito Santo, um só Deus agora e sempre. Amém. 
 (A 8ª vela é trazida para o altar – permanece acesa) 
37. BÊNÇÃO APOSTÓLICA
O – A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus Pai e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.
C – Amém. 
CD’S PARA O INÍCIO DO CULTO enquanto o povo vem chegando:
1. Melodias de alegria 1, faixa 14
2. Coral Castelo Forte de Joinvelle, faixas 2, 4, 16.
3. Grupo Centelhas, faixa 02.
4. Flautas Pã 1, faixa 1.

Obs.: Em lugar dos hinos, para substituir alguns, você pode optar por colocar fundo musical do mesmo hino
Os hinos referem-se ao Hinário Luterano, publicado pela Concórdia Editora

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: