Apocalipse (17) – Ap 19.11-21.5a

Ap 19.11-21 – O Cristo vitorioso sobre seus inimigos
Cristo nos é apresentado com todas as qualificações como sendo o único homem de inteira confiança.
Vem montado num cavalo branco e o seu cavaleiro tem o nome de Fiel e Verdadeiro. Assim como o cavalo é magnífico, seu cavaleiro também o é porque cumpre o que promete com fidelidade e de verdade. Suas ações são de justiça. A derrota desta ação de justiça de Cristo será anunciada sobre aqueles que não estão do seu lado, os descrentes. Até os olhos, como chama de fogo, purificam ou destroem. O fogo serve para purificar como para destruir. Na sua cabeça os diademas são símbolos de dignidade real; são fitas azuis que se levavam ao redor da testa, emblemas da dignidade real.
O nome dele só é conhecido por revelação – ele mesmo se mostra como salvador, o verbo de Deus. Suas vestes estão manchadas de sangue, porque sangue ele derramou para ser o vitorioso.
O exército que segue a este cavaleiro vitorioso também é considerado vitorioso.
Os cavalos brancos e as vestiduras de linho finíssimo branco e puro nos sugerem pureza e santidade. O general do exército está vestido com cor de sangue mas os soldados estão de branco. Foi Cristo que deu sua vida em favor da humanidade pecadora, a qual teve suas vestes alvejadas com sangue.
Ele, Cristo, é o Rei dos Reis porque pode governar com cetro de ferro, tendo poderes vitoriosos sobre todos.
Chegou o momento decisivo da carnificina. Todos os inimigos serão destruídos, todos aqueles que seguiram o dragão, a besta e o falso profeta.
A batalha final não é descrita – é-nos revelado só as conseqüências da ação devastadora de Cristo sobre os inimigos – a derrota é final e completa. Não há mais volta para aqueles que não seguiram o Cristo Vitorioso.

Ap 20.1-21.5a – O Milênio
O Milênio é o assunto mais debatido e estudo do Apocalipse. A pergunta é: quando e onde, na história da igreja e do mundo, se pode colocar esses “mil anos”? No passado, presente ou futuro? Será aqui na terra ou será no céu? As hipóteses são diversas e as igrejas têm se pronunciado de várias maneiras.
A nossa posição tradicionalmente aceita é de encarar o milênio como o período que vai da vitória de Cristo na ressurreição-ascensão até a sua segunda vinda. É uma interpretação simbólica dos mil anos.
O milênio inicia com a prisão de Satanás. A chave, que abre e fecha o abismo, representa o poder para restringir a ação de Satanás. Este ato de prender Satanás representa restringir sua ação sobre os homens. Cristo restringiu a ação de Satanás quando libertou a humanidade pecadora; Satanás não mais pode reinar sozinho e enquanto estamos no reino da graça de Deus Satanás quer agir, mas com limites em seu poder. Em Cristo, podemos aprisionar Satanás, afastando-o de nossas vidas.
Em contraste com a prisão de Satanás, existe um trono, símbolo de poder e domínio. Os cristãos têm poderes contra Satanás agora, para julgá-lo e se afastar de suas intenções. Aqui nos vem à mente op ofício das chaves, o poder própria da igreja para perdoar ou não perdoar pecados. Quem tem este poder são os mártires e os cristãos vivos até se completarem os mil anos.
A primeira ressurreição é espiritual e não física. É a ressurreição para Deus, ocorrida normalmente no nosso batismo. Nós nascemos para Deus quando fomos feitos seus filhos. A partir desta ressurreição é que inicia o milênio para nós. Sobre os que nascerem pela primeira vez, a segunda morte, a morte eterna, não terá poderes. Por isso, bem-aventurado aquele que ressuscitou pela primeira vez a fim de não morrer eternamente, pois estes serão sacerdotes de Deus e de Cristo eternamente.
Mas, chegará o momento da derrota final de Satanás. Esta derrota começa com a ação de Deus soltar a Satanás por pouquíssimo tempo, não para danificar a igreja, mas para que sobre ele seja dado o veredito final. Reunindo todos os seus súditos, Satanás, juntamente com Gogue e Magogue, nomes de pessoas que representam os inimigos dos cristãos. O número dos inimigos é como a areia do mar e todos juntos, Satanás e seus seguidores, terão sobre si a sentença declarada no dia do juízo final: eternamente perecerão no fogo do inferno.
No dia do Juízo Final, todos serão julgados. O trono de Deus, justo e puro, dele será anunciada a sentença sobre todos os seres humanos. O critério do julgamento serão as obras ou a vida: aquele que viveu crendo na mensagem de Deus como o salvador da humanidade tem seu nome inscrito no livro da vida; aquele que viveu crendo em si mesmo, na sua auto-justiça, não tem seu nome inscrito no livro da vida – a este a sentença será de ser lançado no lago de fogo eterno. Esta é a segunda morte, aquela que determinará a eternidade de todos os seres humanos: ou com Deus ou sem ele.
Para os eleitos, inscritos no livro da vida, está reservado o novo céu e a nova terra. É a Nova Jerusalém. É o tabernáculo de Deus; a presença de Deus no meio de seu povo. Neste lugar não haverá mais pecados e suas desgraças para os eleitos – estarão imunes completamente da ação de Satanás. São novas todas as coisas que Deus proporciona para os salvos eternamente.

(Rev. Clóvis Prunzel)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: