Espiritismo – Estudo Bíblico

ESPIRITISMO
I – HISTÓRICO
Práticas espíritas diversas e tentativas de comunicação com os mortos podem ser encontradas desde a mais remota antigüidade entre os povos bárbaros do continente europeu, asiático, entre os povos selvagens do interior do continente africano (que durante a escravatura trouxeram para a América o chamado “baixo espiritismo” do qual fazem parte a umbanda, quimbanda e candomblé)e entre os indígenas que habitavam todo o continente americano.
Mas na modernidade o espiritismo teve seu nascimento em Hydesville, no condado de Wayne, EUA, quando Katherine e Margaretta Fox tentaram se comunicar com as supostas entidades espirituais que faziam barulho em sua casa. Logo, foram ouvidas notícias de eventos semelhantes por toda parte. Estas notícias chamaram a atenção de um francês, cujo nome era Léon Hippolyte Denizrd Rivail (1804-1869), que chamou a si mesmo de Allan Kardec (considerando-se a reencarnação do mesmo) e tornou-se um dos primeiros e principais sistematizadores da doutrina espírita moderna.
No Brasil surgem notícias sobre uma grande fogueira dos livros de Kardec, feita pelo arcebispo de Madri, na Espanha. Jornais brasileiros publicam a partir de 1853 notícias sobre sessões espíritas e fenômenos paranormais. O espiritismo torna-se assunto em pauta na classe média e alta da sociedade brasileira. Em 17 de Setembro de 1865 surge em Salvador, na Bahia, o primeiro Grupo Familiar do Espiritismo.

 II – A SITUAÇÃO DO ESPIRITISMO NO BRASIL
O espiritismo tem crescido sobremaneira no Brasil. Calcula-se que cerca de 60% da população brasileira têm ou já tiveram alguma ligação com o espiritismo. Muitos que se intitulam católicos freqüentam periodicamente os centros espíritas. É aberto a todas as religiões e pessoas que querem consultar os que já morreram, esperando ouvir alguma mensagem do falecido.

 III – PRINCIPAIS ENSINOS
Os espíritas, que também se julgam cristãos, pretendem basear seus argumentos na passagem bíblica de 1 Samuel 28.1-25, onde fala que o rei Saul consultou a médium de En-Dor.
Mas é bom vermos o que Deus diz em Sua Santa Palavra sobre isto. É bom vermos o que aconteceu com o rei Saul depois disto. Para isto queremos ver os seguintes versículos bíblicos: Dt 18.9-14; Is 8.19; 1 Cr 10.13.
A partir disso vemos que os espíritas ensinam a reencarnação e a comunicação com os mortos.
Vimos a pouco que os espíritas também se julgam cristãos, mas negam as doutrinas do cristianismo, tais como a Bíblia, a Trindade, a Divindade de Jesus, o Pecado Original, a Obra Salvadora de Jesus, o Perdão Divino, Céu e Inferno, Satanás e os Demônios…

 IV – AVALIAÇÃO DOS ENSINOS COM BASE EM TEXTO BÍBLICOS
 1. O Espiritismo nega a Bíblia: A doutrina espírita diz que a Bíblia é fruto do pensamento humano, cheia de contradições e que não pode dar nenhuma orientação ou prova sobre alguma coisa, por isso que a base de nosso ensino é o que os espíritos nos dizem, daí o nosso nome – Espiritismo.
A Bíblia diz: 2 Tm 3.16-17; 1 Ts 2.13; 2 Pe 1.21; Dt 4.2; Jr 30.2.
2. O Espiritismo nega a Trindade: A doutrina espírita diz que não existe Deus, mas sim um ser superior que criou todas as coisas e as governa. A doutrina espírita diz que Jesus não é Deus, mas um simples homem com um espírito evoluído e perfeito. A doutrina espírita nega que o Espírito Santo é Deus, mas que Ele é o conjunto de todos os espíritos bons, aperfeiçoados e puros.
A Bíblia diz: O Pai é Verdadeiro Deus. Jo 17.3; Jo 3.16; Gl 4.4. Jesus é Verdadeiro Deus e Verdadeiro Homem. Jo 3.16; Hb 13.8; Mt 28.18; Jo 2.1-11; Mt 9.1-8; Lc 8.22-25; Jo 11.38-44; 1Tm 2.5; Lc 24.39; Mt 26.38; Mc 4.38; Mt 4.2; Jo 11.35. O Espírito Santo é Verdadeiro Deus. At 5.3,4; Jo 20.22; 1 Co 2.10. Algumas passagens que se referem a Trindade na Bíblia: Gn 1.1-3,26; Gn 3.22; Gn 11.7; Is 42.1; Mt 3.16,17; Mt 28.18-20; Jo 15.26.
3. O Espiritismo nega o Pecado Original, a Obra Salvadora de Jesus e o Perdão Divino: A doutrina espírita diz que nunca houve uma queda em pecado. Todo mal cometido e realizado é uma dívida contraída numa encarnação anterior que deverá ser paga nesta encarnação ou na seguinte. E a salvação não se obtém pela graça nem pelo sangue derramado por Jesus, mas a salvação é ponto de esforço individual que cada um deve empregar na medida de suas forças. E nesta mesma linha de pensamento entra o perdão divino. A pessoa precisa conquistar o perdão através de obras de caridade, para na próxima encarnação ser uma pessoa boa.
A Bíblia diz: Gn 8.21; Sl 51.5; Rm 5.19; Rm 7.18,23; Ef 2.3; Tg 1.14,15. Êx 15.2; Jl 2.32; Mq 7.7; At 4.12; Jo 3.16; 1 Jo 4.10; Ef 1.7; 1 Jo 1.7; At 16.31; Jo 11.25,26. Ef 4.32; Mc 2.5.
4. O Espiritismo nega o Céu e o Inferno: A doutrina espírita diz que o céu é o mundo dos espíritos. E o inferno, segundo eles, é aqui e agora. Daí vem a expressão: “Aqui se faz; aqui se paga.” Eles dizem que “se há um Deus capaz de condenar uma de suas criaturas a sofrer eternos horrores por uma falta momentânea, cometida contra quem for, então Deus está muito abaixo das solas dos nossos sapatos. Nós nos julgamos, por isso, muito superiores a um tal Deus.”
A Bíblia diz: O Céu. Jo 14.2; Ap 7.13-17; 1 Pe 1.4. O Inferno. Sl 9.17; Mt 10.28; Mt 25.41,46; Mc 9.43-48; Lc 12.5.
5. O Espiritismo nega Satanás e os Demônios: A doutrina espírita nega a Satanás e os demônios, dizendo que eles são habitantes do mundo dos espíritos, sendo espíritos desencarnados que estão em evolução, melhorando-se a cada encarnação e a cada boa ação que fizerem.
A Bíblia diz: Lc 4.33-36; Jo 8.44; Lc 4.6-8; 1 Pe 5.8,9.

 V – CONCLUSÃO
O que concluímos deste estudo?
1. O espiritismo não é uma religião cristã, como eles querem se denominar, mas um legítimo exemplo crasso do mais primitivo paganismo.
2. Que a reencarnação está em oposição a doutrina bíblica da morte, juízo, ressurreição, condenação e salvação. A Bíblia estabelece que o destino eterno do homem é decidido por Deus no momento de sua morte, quando a alma entra em julgamento divino para ouvir a sentença: ou vida eterna, ou morte eterna. O Juízo Final apenas confirmará a sentença. Conferir Hb 9.27; Pv 11.7; Lc 23.43; At 17.31; Mt 10.22; Jo 3.18.
3. Não havendo nenhum retorno após a morte, não pode haver comunicação entre mortos e vivos, conferir Lc 16.19-31. Portanto, os que tem contato com os pretensos espíritos, por meio de culto, “trabalho” ou consulta, na realidade se comunicam com os espíritos malignos, os demônios. Moisés repreende o seu povo por ter imitado tais práticas pagãs dizendo: “Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; a deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco…” Dt 32.17. Conferir ainda Lv 19.31; Dt 18.9-14; 1 Cr 10.13; Is 8.19,20.

 

 VI – FONTES PESQUISADAS
ENCICLOPÉDIA HISTÓRICO-TEOLÓGICA DA IGREJA CRISTÃ. Ed. Walter A. Elwell. Volume II, págs. 49-50.
GOERL, Otto. Provai os Espíritos. Concórdia Editora Ltda. 1996.
JANNER, Alexandre A. O Espiritismo Kardecista. (Trabalho apresentado na disciplina de Denominações Religiosas no Brasil na Faculdade de Teologia do Seminário Concórdia de São Leopoldo em 1999).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: