Muito Obrigado – Ação de Graças

MUITO OBRIGADO

Diz a história que em 1621 imigrantes europeus nos Estados Unidos resolveram festejar o sucesso das colheitas com um dia especial de agradecimento a Deus, celebrado com um banquete no qual assaram uma ave silvestre, o peru. Esta Ação de Graças transformou-se numa tradição mais festejada por lá que o próprio Natal. Em 1909, o embaixador brasileiro Joaquim Nabuco, após assistir em Washington a celebração desta festa, proferiu um discurso emocionado na ONU propondo o Dia Internacional de Ação de Graças. Em 1949, o presidente Eurico Gaspar Dutra instituiu em nosso país a data, lembrada hoje em 150 nações sempre nesta quarta quinta-feira de novembro.

Este dia tem algo parecido com a Festa da Colheita, uma celebração dos cristãos da Europa quando os produtos da terra eram levados ao altar e dedicados a Deus. Uma tradição que ainda persiste em certas igrejas no interior do Brasil. Mas com o tempo estas coisas se tornam meras tradições. A “tradição” precisa “traduzir” o fato original, senão vira uma “traição” (as três palavras têm a mesma raiz latina que significa o ato de entregar). Assim como no Natal e em outras festas cristãs, é muito fácil as coisas virarem um “peru”. O nosso muito obrigado pode se transformar num gluh gluh gluh. O próprio culto a Deus na igreja, as orações, os hinos, o louvor, tudo pode ser algo que não traduza o sentido original. Como aconteceu com o povo de Israel no Antigo Testamento. Em certo momento Deus reclamou deles, dizendo: – Não adianta nada me trazerem ofertas; eu odeio o incenso que vocês queimam. Não suporto as Festas de Lua Nova, os sábados e as outras festas religiosas, pois os pecados de vocês estragam tudo isso (Isaías 1.13). O pecado desta gente era a falta de amor ao próximo, conforme aponta o livro: – Aprendam a fazer o que é bom, tratem os outros com justiça, socorram os que são explorados, defendam os direitos dos órfãos e protejam as viúvas (Isaías 1.17).

Na verdade, junto com o louvor dos filhos de Deus na igreja, a melhor maneira de agradecer aos céus é repartindo com os outros as dádivas recebidas. E se existe algo que nunca deveríamos deixar de reconhecer todos os dias, este é o perdão divino pela falta do nosso amor e de todos as conseqüentes infrações. Sobre isto Jesus contou uma parábola (Mateus 18.21-35) mostrando onde começa a legítima ação de graças. Um empregado devia milhões de moedas de prata e não tinha como pagar. Sensibilizado, o patrão perdoou a enorme dívida. O empregado saiu todo feliz e logo adiante encontrou seu colega de trabalho que lhe devia 100 moedas de prata. Não teve dúvida, mandou pôr o coitado na prisão até que pagasse a dívida. O final da história conta que o patrão descobriu a ruindade, e podemos imaginar o que aconteceu depois.

Neste mundo com tanta gente padecendo ao nosso lado por falta disto e daquilo, sempre temos alguma coisa para oferecer. Às vezes um simples sorriso é tudo o que alguém precisa. E se tem gente morrendo de anorexia, outro jejum doentio está mesmo no coração de gente que não olha para cima e por isto não olha para o lado, mas só para frente, no espelho. Pois neste dia de agradecer, valem as palavras daquele que tudo oferece: – O jejum, a ação de graças que me agrada é que vocês repartam a sua comida com os famintos… (Isaías 58.7).

(artigo para o Jornal NH, para 23 de novembro de 2006)

Pastor Marcos Schmidt

marsch@terra.com.br

Igreja Evangélica Luterana do Brasil

Comunidade São Paulo

Novo Hamburgo, RS

22 de novembro de 2006

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: